Essa moça é um poço de mistérios, escuridão e caos. Ela se esconde, ela se perde, ela é egoísta e odeia chorar porque adora a pose de forte e transmitir aos demais que é durona. Todos julgam ela. Ela diz que não se importa. As pessoas riem. Ela sorrir, mas logo depois chora. Ignoram a coitada. Ela se isola. Inventam padrões. Ela se encaixa em nenhum. A sociedade fofoca. Ela observa. E assim ela se vai para cada vez mais longe de tantos julgamentos. Ela se vai para longe aos poucos porque prefere se afastar e se fazer de forte ao ter que conviver com utopias. Ela se esconde, se perde em si mesma e sorrir flertando com a solidão. No fundo ela sabe que sua personalidade e seu interior são bonitos demais para ter que demonstrar a essa perversidade que chamam de mundo.
A Escritora de Bar.  (via palavrisses)

(Source: nevarias)

Algumas vezes na vida, você encontra uma amiga especial. Alguém que muda sua vida simplesmente por estar nela. Alguém que te faz rir até você não poder mais parar. Alguém que faz você acreditar que realmente tem algo bom no mundo. Alguém que te convence que lá tem uma porta destrancada só esperando você abri-la. Isso é uma amizade pra sempre. Quando você está pra baixo e o mundo parece escuro e vazio, sua amiga pra sempre te põe pra cima e faz com que o mundo escuro e vazio fique bem claro. Sua amiga pra sempre te ajuda nas horas difíceis, tristes e confusas. Se você se virar e começar a caminhar, sua amiga pra sempre te segue. Se você perder seu caminho, ela te guia e te põe no caminho certo. Sua amiga pra sempre segura sua mão e diz que vai ficar tudo bem. Sua amiga é pra sempre, e pra sempre não tem fim.
Marilyn Monroe. (via palavrisses)

(Source: ressuscitei)

Eu gosto de gente bem humorada, de riso fácil, de abraço apertado. Gente de coração. Gente que faz amigos pela amizade e ama só pelo amor.
Desconhecido.  (via n-o-v-o-h-e-r-o-i)

(Source: PERTENCIDO)

Um dia, perguntei para o psiquiatra: sou bipolar? Ele me disse: de bipolar você não tem nada. Você é sincera e tem sentimentos intensos. E me explicou a origem da palavra sincera, que vem do latim e significa “sem cera”. Antigamente, carpinteiros e escultores usavam cera para disfarçar os defeitinhos de esculturas e móveis de madeira. Então, eles lixavam, passavam verniz e tudo ficava aparentemente perfeito e em ordem. O aspecto das peças era magnífico. Com o passar do tempo, do frio, calor e uso, a cera ia se desmanchando e os defeitos iam ganhando vida. Sinceridade é “sem cera”, ou seja, sem máscaras, sem retoques, sem querer ser o que não é. Achei bonita a explicação dele. E triste. Dói ser “sem cera”.
Clarissa Corrêa (via palavrisses)

(Source: sociedadedospoetasmortos.com)

Minha voz é horrível. Não sei como você não enjoa de ficar ouvindo ela, e todas as coisas sem sentido que eu vivo falando. Diferente da sua, que é linda. Amo ficar ouvindo, mesmo que seja por pouco tempo. Porque o pouco tempo que eu escuto ela, é o muito tempo que me faz ficar bem.
Obviously, I love you.    (via n-o-v-o-h-e-r-o-i)

(Source: embriagado)

(Source: gaavan)

(Source: ghostlytreats)

pronuncio:

Entre ruínas e outras, eu aprendi verdadeiramente a erguer uma ponte.

G, cinza

(Source: manuscrituras)

Você me olhou e sorriu, foi o que bastou.
Londres, 1995.   (via pronuncio)

(Source: importunarei)

A gente ia ser feliz, a gente ia ser um do outro, a gente ia .. ia… ia… E não foi.
Cidades de Papel.  (via reaprovei)

(Source: delator)